Legion Designers
Legion Designers


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Hardware para iniciantes, parte 1 em Sex Abr 22, 2011 5:34 pm

Switch

avatar
Admin
Admin
Introdução

O primeiro PC foi lançado em 1981, pela IBM. A plataforma PC não é a primeira nem será a última plataforma de computadores pessoais, mas ela é de longe a mais usada e provavelmente continuará assim por mais algumas décadas. Para a maioria das pessoas, "PC" é sinônimo de computador.

Começando do básico, existem duas maneiras de representar uma informação: analogicamente ou digitalmente. Uma música gravada em uma antiga fita K7 é armazenada de forma analógica, codificada na forma de uma grande onda de sinais magnéticos, que podem assumir um número virtualmente ilimitado de freqüências. Quando a fita é tocada, o sinal magnético é amplificado e novamente convertido em som, gerando uma espécie de "eco" do áudio originalmente gravado.

O grande problema é que o sinal armazenado na fita se degrada com o tempo, e existe sempre uma certa perda de qualidade ao fazer cópias. Ao tirar várias cópias sucessivas, cópia da cópia, você acabava com uma versão muito degradada da música original.

Ao digitalizar a mesma música, transformando-a em um arquivo MP3, você pode copiá-la do PC para o MP3 player, e dele para outro PC, sucessivamente, sem causar qualquer degradação. Você pode perder alguma qualidade ao digitalizar o áudio, ou ao comprimir a faixa original, gerando o arquivo MP3, mas a partir daí pode reproduzir o arquivo indefinidamente e fazer cópias exatas.

Isso é possível devido à própria natureza do sistema digital, que permite armazenar qualquer informação na forma de uma seqüência de valores positivos e negativos, ou seja, na forma de uns e zeros.

O número 181, por exemplo, pode ser representado digitalmente como 10110101; uma foto digitalizada é transformada em uma grande grade de pixels e um valor de 8, 16 ou 24 bits é usado para representar cada um; um vídeo é transformado em uma sequência de imagens, também armazenadas na forma de pixels e assim por diante.

A grande vantagem do uso do sistema binário é que ele permite armazenar informações com uma grande confiabilidade, em praticamente qualquer tipo de mídia; já que qualquer informação é reduzida a combinações de apenas dois valores diferentes. A informação pode ser armazenada de forma magnética, como no caso dos HDs; de forma óptica, como no caso dos CDs e DVDs ou até mesmo na forma de impulsos elétricos, como no caso dos chips de memória flash.



Chips de memória flash

Cada um ou zero processado ou armazenado é chamado de "bit", contração de "binary digit" ou "dígito binário". Um conjunto de 8 bits forma um byte, e um conjunto de 1024 bytes forma um kilobyte (ou kbyte).

O número 1024 foi escolhido por ser a potência de 2 mais próxima de 1000. É mais fácil para os computadores trabalharem com múltiplos de dois do que usar o sistema decimal como nós. Um conjunto de 1024 kbytes forma um megabyte e um conjunto de 1024 megabytes forma um gigabyte. Os próximos múltiplos são o terabyte (1024 gigabytes) e o petabyte (1024 terabytes), exabyte, zettabyte e o yottabyte, que equivale a 1.208.925.819.614.629.174.706.176 bytes. Smile

Começando do básico, qualquer PC é composto pelos mesmos componentes: placa-mãe, processador, cooler memória, HD, placa de vídeo, gabinete, fonte, monitor e outros periféricos (teclado, mouse, etc.).

Essa mesma divisão básica se aplica também a notebooks e netbooks (que tem termos de hardware estão cada vez mais parecidos com os desktops) e também a outros aparelhos eletrônicos, como smartphones e tablets. A principal diferença é que neles os componentes são integrados numa única placa de circuito (muitas vezes no mesmo chip) e são utilizados chips de memória flash no lugar do HD.

Antigamente, a placa-mãe funcionava apenas como um ponto central, contendo os slots e barramentos usados pelos demais componentes. Além do processador e dos módulos de memória, era necessário comprar uma placa de vídeo, placa de som, modem, rede, etc. Cada componente era uma placa separada.




Com a integração dos componentes, a placa-mãe passou a incluir cada vez mais componentes, dando origem às placas "tudo onboard" que utilizamos atualmente (algumas placas mini-ITX destinadas a media-centers já vêm até com o processador e chips de memória!). Isso permitiu que os preços dos PCs caíssem assustadoramente, já que com menos componentes, o custo de fabricação é bem menor.

Embora componentes onboard (ou componentes integrados, que seria o termo mais correto) tenham uma certa má fama, eles são os grandes responsáveis pela queda de preço dos equipamentos em relação ao que tínhamos há uma ou duas décadas atrás. Se ainda utilizássemos placas separadas para cada componente (como na época do 486), os PCs não seriam apenas mais caros, mas também consumiriam mais energia e seriam mais propensos a problemas.

Para quem quer mais desempenho ou recursos, é sempre possível instalar placas adicionais, substituindo os componentes onboard. Um bom exemplo são as placas 3D dedicadas, que oferecem um desempenho brutalmente superior ao dos chipsets de vídeo integrados. Feitas as apresentações, vamos a uma rodada de detalhes básicos sobre os componentes:

Entendendo os processadores

O processador é sempre o componente mais enfatizado em qualquer PC. Ao comprar um desktop ou notebook, quase sempre a primeira informação que se verifica é o modelo e/ou clock do processador. Além de ser o encarregado de processar a maior parte das informações, ele é o componente onde são usadas as tecnologias de fabricação mais recentes.

Existem no mundo apenas três empresas com tecnologia para fabricar processadores competitivos para micros PC: a Intel, a AMD e a VIA. Antigamente tínhamos outros fabricantes, como a IDT (que fabricou o IDT C6, concorrendo com o Pentium 1), a Texas Instruments (que fabricou chips 386 e 486), a Cyrix (que foi comprada pela VIA), a Transmeta (fabricante do Crusoé) e até mesmo a IBM. Entretanto, com o passar do tempo todas foram empurradas pra fora do mercado, deixando apenas a Intel e a AMD brigando pela supremacia e uma pequena VIA lutando para sobreviver.



Athlon X2 e Pentium D

Mais do que em qualquer outro componente, os preços dos processadores variam brutalmente de acordo com o modelo. Temos desde processadores de baixo custo, como os diferentes modelos do Sempron e do Celeron, que chegam a ser vendidos por menos de 40 dólares nos EUA, até processadores high-end, como os modelos mais caros do Core i7, que chegam a custar US$ 999.

O principal motivo de tamanha disparidade é a necessidade dos fabricantes de adaptarem seus produtos a diferentes faixas de mercado, que vão desde os PCs de baixo custo, que são vendidos por menos de 800 reais, até estações de trabalho ou PCs para jogos que chegam a custar mais de 5 mil. Muda o número de núcleos, a quantidade de cache e o clock dos processadores, mas a arquitetura usada continua quase sempre a mesma. Em muitos casos, os processadores de baixo custo são apenas versões castradas de chips mais rápidos, com parte dos componentes desativados, uma estratégia usada tanto pela Intel quanto pela AMD.

Com tantos processadores disponíveis no mercado, entender as diferenças entre os diferentes modelos dentro de cada geração pode parecer impossível, mas na verdade não é tão difícil assim, já que os modelos são ramificações de algumas poucas arquiteturas. Vamos começar com um resumo rápido:

Uma rápida árvore genealógica dos processadores

Dentro do mundo PC, tudo começou com o 8088, lançado pela Intel em 1979 e usado no primeiro PC, lançado pela IBM em 1981. Depois veio o 286, lançado em 1982, e o 386, lançado em 1985.

O 386 pode ser considerado o primeiro processador moderno, pois foi o primeiro a incluir o conjunto de instruções x86 básico, usado até os dias de hoje. O 486 (que ainda faz parte das lembranças de muita gente que comprou seu primeiro computador durante a década de 90) foi lançado em 1989, mas ainda era comum encontrar micros baseados nele à venda até por volta de 1997.

Depois entramos na era atual, inaugurada pelo Pentium, que foi lançado em 1993 mas demorou alguns anos para se popularizar e substituir os 486. Em 1996 foi lançado o Pentium MMX, que deu um último fôlego à plataforma. Depois, em 1997, veio o Pentium II, que usava um encaixe diferente e por isso era incompatível com as placas-mãe antigas. A AMD soube aproveitar a oportunidade, desenvolvendo o K6-2, um chip com uma arquitetura similar ao Pentium II, mas que era compatível com as placas soquete 7 antigas.

A partir daí as coisas passaram a acontecer mais rápido. Em 1999 foi lançado o Pentium III e em 2000 o Pentium 4, que trouxe uma arquitetura bem diferente dos chips anteriores, otimizada para permitir o lançamento de processadores que trabalham a frequências mais altas.



Pentium 4 em versão soquete 478

O último Pentium III trabalhava a 1.0 GHz, enquanto o Pentium 4 atingiu rapidamente os 2.0 GHz, 3 GHz e em seguida 3.5 GHz. O problema é que o Pentium 4 possuía um desempenho por ciclo de clock inferior a outros processadores, o que fazia com que a alta frequência de operação servisse apenas para equilibrar as coisas. A primeira versão do Pentium 4 operava a 1.3 GHz e, mesmo assim, perdia para o Pentium III de 1.0 GHz em diversas aplicações.

Quanto mais alta a frequência do processador, mais energia ele consome e, consequentemente, mais calor é dissipado por ele (como diz a primeira lei da termodinâmica, "nada se perde, tudo se transforma"). O calor não era um prolema na época do Pentium 1, quando os processadores usavam apenas 10 ou 15 watts, mas é um dos grandes limitantes hoje em dia, quando muitos processadores rompem a marca dos 150 watts.

Não é incomum que processadores domésticos sejam capazes de operar ao dobro da frequência nominal quando refrigerados com nitrogênio ou hélio líquido (o recorde para o Phenom II de 45 nm, por exemplo, é de 6.5 GHz), que eliminam o problema da temperatura. Entretanto, ao usar um cooler regular, a temperatura se torna um limitante muito antes.

Quando as possibilidades de aumento de clock do Pentium 4 se esgotaram, a Intel lançou o Pentium D, uma versão dual-core do Pentium 4. Inicialmente os Pentium D eram caros, mas com o lançamento do Core 2 Duo eles caíram de preço e passaram a ser usados até mesmo em micros de baixo custo. Os Pentium D eram vendidos sob um sistema de numeração e não sob a frequência real de clock. O Pentium D 820, por exemplo, opera a 2.8 GHz, enquanto o 840 opera a 3.2 GHz.

Em 2003 a Intel lançou o Pentium M, um chip derivado da antiga arquitetura do Pentium III, que consome pouca energia, esquenta pouco e mesmo assim oferece um excelente desempenho. Um Pentium M de 1.4 GHz chegava a superar um Pentium 4 de 2.6 GHz em diversas aplicações.

O Pentium M foi desenvolvido originalmente para ser usado em notebooks, mas se mostrou tão eficiente que acabou sendo usado como base para o desenvolvimento da plataforma Core, usada nos processadores Core 2 Duo e Core 2 Quad. O Pentium 4 acabou se revelando um beco sem saída, descontinuado e condenado ao esquecimento.

Paralelamente a todos esses processadores, temos o Celeron, uma versão mais barata, mas com um desempenho um pouco inferior, por ter menos cache ou outras limitações. Na verdade, o Celeron não é uma família separada de chips, mas apenas um nome comercial usado nas versões mais baratas (com metade ou um quarto do cache) de vários processadores Intel. Existem Celerons baseados no Pentium II, Pentium III, Pentium 4, Pentium M e até mesmo o Celeron E1xx, que é uma versão com menos cache do Core 2 Duo.

Para efeito de comparação, entre os chips antigos e os atuais, um 486 tinha cerca de 1.2 milhões de transistores e chegou a 133 MHz, enquanto o Pentium MMX tinha 4.3 milhões e chegou a 233 MHz. Um Pentium 4 (Prescott) tem 125 milhões e chegou aos 3.8 GHz, que foi por muitos anos a frequência de clock mais alta usada por um processador x86.

O transistor é a unidade básica do processador, capaz de processar um bit de cada vez. Mais transistores permitem que o processador processe mais instruções de cada vez enquanto a frequência de operação determina quantos ciclos de processamento são executados por segundo.

O uso de mais transistores permite que o processador inclua mais componentes (mais núcleos, unidades de execução, cache, etc.) e execute mais processamento por ciclo, enquanto a frequência de operação determina quantos ciclos de processamento são executados por segundo. É possível melhorar o desempenho dos processadores tanto aumentando o número de transistores quanto aumentando a frequência, mas como ambas as abordagens possuem seus limites, os fabricantes são obrigados a encontrar a melhor combinação entre as duas coisas.

Creditos: Guia do hardware


••• Assinatura de Switch •••


_______________________________________________________
Tah vendo meu post neh Convidado

Gift do Junin Dsg kkkkk' vlw mano Very Happy



Ver perfil do usuário

2 Re: Hardware para iniciantes, parte 1 em Sex Abr 22, 2011 5:35 pm

Yoshi

avatar
Membro Avançado
Membro Avançado
Obrigado por compartilhar, novamente. @_@

Ver perfil do usuário http://psdesign.forumeiros.net/forum

3 Re: Hardware para iniciantes, parte 1 em Sex Abr 22, 2011 10:39 pm

Bruno

avatar
Membro Avançado
Membro Avançado
Obrigadoo por Compartilhar .

Ver perfil do usuário

4 Re: Hardware para iniciantes, parte 1 em Sab Abr 23, 2011 5:08 pm

Marasca

avatar
Designer Bronze
Designer Bronze
Obrigaod por compartilhar mas eu nem li ^^ ;D

Ver perfil do usuário

5 Re: Hardware para iniciantes, parte 1 em Seg Maio 30, 2011 12:04 am

kebraosso

avatar
Moderador Expert
Moderador Expert
(Revivendo o tópico que só vi agora...)

Só li o começo.

Obrigado por compartilhar.


••• Assinatura de kebraosso •••


_______________________________________________________


Ver perfil do usuário

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum